Notícia Regional
 
SAAE-Ambiental descobre desvio de água em hotel
Em 23/05/2011
 

Queda brusca no consumo de água do estabelecimento motivou inspeção técnica. Instalação irregular abastecia reservatório sem que água passasse pelo hidrômetro


 


 


Os leituristas do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Águas de Lindóia (SAAE-Ambiental) descobriram nesta sexta-feira (20) um desvio de água do poço artesiano que abastece o Hotel Saint Nicolas. Popularmente conhecido como “gato”, o desvio hidráulico de 1,5 polegada foi instalado de forma que a água extraída do poço artesiano abastecesse diretamente o reservatório central do hotel, sem passar pelo hidrômetro. Com isso, o equipamento registrava apenas uma parte mínima consumida pelo estabelecimento. Segundo o diretor do SAAE-Ambiental, Pedro Rieli, nos próximos dias o departamento jurídico da autarquia entrará com as medidas judiciais cabíveis ao caso.


 


A suspeita e posterior descoberta do desvio da água aconteceram em razão da diminuição acentuada do consumo do hotel registrada nos últimos meses. De acordo com o SAAE, o consumo médio histórico do hotel girava em torno de 260 metros cúbicos de água por mês. Subitamente houve uma diminuição para o consumo de apenas 44 metros cúbicos/mês, o que é a média mensal de consumo de uma família de cinco pessoas. 


 


Atento a esta situação discrepante – um hotel ter o consumo de uma residência com cinco pessoas -, o setor técnico do SAAE-Ambiental expediu as últimas contas pela média de consumo. Paralelamente, foi determinada uma inspeção técnica nas instalações do poço artesiano do hotel para verificar o que estava acontecendo. Na inspeção ocorrida nesta sexta-feira (20) foi constatada a existência do desvio hidráulico, que impedia que o consumo real do hotel fosse efetivamente medido. A inspeção dos funcionários do SAAE foi acompanhada por representante do setor de manutenção do hotel, que alegou desconhecer a existência do “gato”, que estava camuflado numa estrutura de alvenaria. Toda a ação foi fotografada.


 


De acordo com o SAAE-Ambiental, seu procedimento habitual em relação aos poços artesianos é o de cobrar 80% do volume de água que é registrado pelo hidrômetro, isso em razão de essa água que é utilizada pelo hotel ser lançada na rede coletora de esgoto. O Saae esclarece que um imóvel residencial paga pelo volume total de água utilizada e 80% desse valor é acrescido à conta como taxa de esgoto.


 


Pedro Rieli reforça que a autarquia buscará se ressarcir dos prejuízos sofridos com ingresso da competente ação na Justiça. Ele destaca ser obrigação da autarquia tratar seus clientes de forma igualitária. “É preciso que se entenda que o prejuízo não é do SAAE, mas de todos os seus usuários que, mesmo que indiretamente, acabam pagando por esse tipo de desvio de água. É uma questão de justiça o usuário pagar por aquilo que ele, efetivamente, consome”, finalizou o diretor do SAAE-Ambiental.


 


 


Samara Bernardi - Assessoria de Imprensa- Prefeitura Municipal de Águas de Lindóia